“Bom de Nota, Bom de Dança” encerra atividades em Serrana com dois espetáculos

    “Bom de Nota, Bom de Dança” encerra atividades em Serrana com dois espetáculos

    imagem_release_1150093 (Small)

    Circolândia” e “As Maravilhas do Fundo do Mar” foram apresentados na Fundação Cultural de Serrana, com sucesso de público

    A magia tomou conta da Fundação Cultural, que, nos últimos dias 27 e 28, foi palco dos espetáculos de encerramento dos núcleos de Serrana do “Bom de Nota, Bom de Dança”.

    Na segunda-feira (27), os alunos do núcleo Rosa transformaram o espaço em um grande picadeiro e levaram ao respeitável público todo o fascínio e a alegria do maravilhoso mundo do circo. Em “Circolândia”, meninos e meninas de sete a 12 anos representaram, através do balé e das danças urbanas, os elementos circenses que encantam crianças e adultos de todo o mundo. A plateia se divertiu e se emocionou com malabaristas, palhaços, mágicos, coelhinhos, bailarinas, a banda e os pipoqueiros.

    “O público e os pais saíram encantados com o espetáculo. O sentimento é de felicidade e de dever cumprido, principalmente depois de recebermos tantos agradecimento dos familiares, que elogiaram a nossa dedicação e o nosso carinho com as crianças. Através da dança, conseguimos transformar a vida de centenas de meninos e meninas”, destaca Elisângela de Moura Machado, assistente de coordenação do núcleo.

    Na terça-feira (28), foi a vez do Núcleo Verde se apresentar. Os alunos mostraram aos pais, familiares, amigos e convidados “As Maravilhas do Fundo do Mar”.

    Durante o espetáculo, o público presente pode acompanhar a história de Luna, uma garota diferente, curiosa, aventureira e apaixonada por livros. Ao se interessar pela obra “As Maravilhas do Fundo do Mar”, ela ganhou um novo amigo, direto do oceano: o Sr. Tuba. Juntos, eles se aventuraram pelos mistérios das águas e conheceram de perto alguns dos habitantes de lá: peixes, peixinhos, cavalos marinhos, as conchas e suas pérolas, estrela do mar, polvo, caranguejo, tartaruga, águas-vivas, piratas e guardiões do tesouro.

    A peça foi protagonizada pelas crianças beneficiadas pela iniciativa e contada através do balé e das danças urbanas, em duas sessões, que atraíram olhares curiosos e orgulhosos e também arrancaram aplausos e sorrisos.

    “Fizemos com o coração, ajudamos as crianças a realizarem um sonho e nos realizamos também. O melhor de tudo foi ver o olhar das crianças e o sorriso no rosto de cada uma delas. Os alunos vibraram em cada apresentação, aplaudiram os colegas e fizeram uma corrente de positividade. Eles abraçaram a ideia de que formavam uma equipe e de que o resultado final dependia de cada um deles”, comenta Josiane Lima dos Santos, assistente de coordenação do núcleo Verde

    Josiane também conta que o público ficou muito contente com o que viu. “Recebemos muitos elogios tanto dos familiares, quanto das escolas. Muitos foram prestigiar o espetáculo e puderam ver de perto o trabalho desenvolvido ao longo deste ano. O apoio de cada familiar presente foi fundamental para que as crianças se sentissem confiantes e fizessem uma bela apresentação”, destaca.

    Sobre o projeto

    Desde fevereiro deste ano, o projeto “Bom de Nota, Bom de Dança” oferece aulas de balé e danças urbanas de forma gratuita para meninos e meninas de sete a 14 anos de idade, matriculados na rede municipal de ensino de Serrana. O principal objetivo da iniciativa é levar e fomentar cultura junto às escolas da cidade.

    O município conta com dois núcleos: o Verde e o Rosa. No primeiro, as aulas de balé e danças urbanas acontecem nas escolas Professora Maria Celina Walter de Assis e Professor Edesio Monteiro de Oliveira. Já no núcleo Rosa, as aulas são realizadas nas escolas Jardim Dom Pedro I e Elizabeth Sahao.

    Além dessas atividades, os alunos também recebem, de forma gratuita, lanche após cada aula e uniforme. A iniciativa trabalha, ainda, metodologia de controle de talentos, incentivando a frequência e o bom comportamento escolar.

    O projeto “Bom de Nota, Bom de Dança” de Serrana é realizado por meio do Programa Nacional de Apoio à Cultura – PRONAC, com recursos incentivados pela Usina da Pedra.